quinta-feira, 12 de março de 2015

De volta às Lezírias

Depois de ter falhado a edição de 2014, voltei este ano à Corrida das Lezírias.
Não sendo uma prova que considere "imperdivel", continuo a gostar muito de a fazer, talvez pela exigência do percurso, alcatrão, empedrado, terra batida... desafiante.
Este ano serviu também para teste da condição física actual, já que Sevilha ainda está a fazer mossa. Assim iria usar o aspecto competitivo para fazer um teste mais sério ao estado físico actual.

Depois do encontro com a família Correr Lisboa para as fotos da praxe, e depois de um ligeiro aquecimento, fomos para a partida.
Estava bem composto o pelotão, terminando 1658 atletas. Muito bom.

CORRER LISBOA
A estratégia estava definida, entrar com o ritmo habitual e ver até onde dava, sendo que seria quase certo ter alguma quebra.

Onde está o Wally?
(foto: Jorge Figueira)
O inicio da prova parecia lento por não ter entrado nos habituais "zig-zags", mas o que é facto é que o ritmo foi sempre abaixo dos 5'00'' /Km.
Com a subida da ponte o pelotão esticou um pouco mais e à entrada das Lezírias já se conseguia correr com mais espaço.

Até aos 7 Km's não tive grandes problemas, mas daqui para a frente seria bem diferente.
As forças começaram a faltar e o ritmo começou a cair. O percurso tinha entrado também na zona mais irregular o que também não ajudou.
Pouco depois sou alcançado pelo Tiago e pelo Adelino. Com ajuda torna-se mais fácil (ou menos difícil) e consegui manter-me junto deles.

O calor já apertava o que dificultava ainda mais as coisas, mas apesar das dificuldades, ia conseguindo manter-me abaixo dos 5'00'' /Km.

O trio já na meta.
Aos 12 Km's era o regresso ao alcatrão. Foi o quilometro mais lento da prova porque já não havia força para subir novamente a ponte num ritmo mais vivo.
Depois do topo foi aproveitar a descida para regressar ao ritmo mais rápido e depois foi rolar até à meta.

Apesar de tudo consegui fazer o meu melhor tempo nas Lezírias. Terminei com 1h14m30s, média de 4'52'' /km, para os cerca de 15.300 metros do percurso.
Não foi mau mas ainda preciso de mais algum tempo para a recuperação ser a ideal.

A organização esteve bem, ao nível do que já nos habituou. Dois abastecimentos durante a prova mais o habitual no final, onde além da água havia também fruta variada.


O próximo teste vai ser a Meia-Maratona de Lisboa mas estas duas semanas de treino é que irão ditar a estratégia, se vou armado em maluco ou se faço a prova num ritmo mais moderado. Tudo depende da evolução da recuperação.

Fui...




10 comentários:

  1. Cá para mim, vais armado em aceleras na Ponte :)

    Um abraço e força

    ResponderEliminar
  2. Grande tempo mesmo a recuperar de Sevilha.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Este Homem é imparável!!!! :)
    Gostei de vos ver na minha terra!!! :D

    Força para a Ponte!!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imparável? Tem dias... ;)
      Também gostei de te ver e bem acompanhada.
      Dá também um beijinho à mãe, ainda a vi na meta a dizer-me adeus. Uma querida. :)

      Beijinho Marta!

      Eliminar
  4. Boa prova! Parabéns!

    Vemo-nos na meia! A ritmo maluco... ou não! :)

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Luís.
      Quanto ao ritmo da meia parece que isto está a compor-se. Talvez dê para um ritmo "meio-maluco". ;)

      Abraço!

      Eliminar
  5. Fazia tempo que aqui não vinha!
    Que rico temo para 15kms, parabéns, muito bom.
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Eugénia e bem vinda de volta. :)

      Beijinho!

      Eliminar